Pense nisso…

por: LUÍS CARLOS DE MENEZES

A violência e os jovens que não estão na escola Fala-se muito em diminuir a maioridade penal, mas a verdadeira questão que se coloca para o país é aumentar a “maioridade educacionalCrimes brutais envolvendo jovens, sua repercussão na mídia e as discussões no Congresso mostram, há semanas, nossa sociedade se preparando para se proteger de seus Jovens, não para protegê-los.Aceita-se com naturalidade um mundo em que criança não é esperança, é problema. Se parece exagero, conto três episódios que vivi recentemente:• Terça-feira, 13 horas, restaurante universitário. Um colega diz “Não importa a idade. Envolveu-se em crime? Cadeia!” Outro responde: “Vai se aperfeiçoar no crime, nas cadeias que temos…” O primeiro replica:”Será mais negócio mandar pras escolas que temos?” Afasto-me. Secadeia e escola não sãonegócio“, nessa conversa entre acadêmicos alguém pode chegar a propor a pena capital…• Quinta-feira, 16 horas, rua de comércio. Dormindo na calçada, um menino “atrapalhando o tráfego“. Tento falar com ele e alguém me adverte: “Não perca tempo. Elechapadão de crack!” Pergunto:”Um policial não poderia levá-lo a um hospital?” O comerciante responde:”Passou um agorinha e nem ligou. Tem dúzias deles largados assim aqui,no centro“. Sigo em frente, buscando conserto para um velho computador…• Sexta-feira, 18h30, semáforo. vejo as mãos dela, vendendo balas.A cabeça não alcança o vidro do carro. Lembro da notícia do bebê abandonado, mas penso que, se a criança sabe andar na ma, isso não nos choca nem é notícia. Abre o sinal e sigo. Pelo retrovisor, vejo amenina driblando os automóveis…Bertolt Brecht, em seu teatro pedagógico, propõe que não nos emocionemos, mas pensemos. que aqui nem é teatro. Sou eu, cúmplice dessa cidade que abandona suas crias. O Brasil não é isso, e sei de muitos lugares que nem fazem idéia do inferno das metrópoles, mas as notícias envolvem todos e discutir as soluções também. Discutamos, pois.No debate sobre se é mais barato prevenir ou remediar, ouve-se que cada presidiário custa por mês mais do que dez alunos na escola e que cada menor infrator confinado custa mais do que 20 crianças na escola.E se cadeia não adianta e preso é tão caro, há quem diga que pena de morte barateia… Não é preciso ser jurista para se chocar. Todos sabemos que preso é responsabilidade do Estado, a qualquer custo. Mas criança na escola não é responsabilidade do Estado? E a que custo? Um décimo do que gastamos com os presos e um vigésimo do que custa um infrator?Há milhões de jovens sem trabalho, escola e vida social decentes -entre eles, milhares de crianças de rua e outras tantas viciadas,prostituídas ou envolvidas com a contravenção e o crime. Cuidar desses últimos é essencial, mas sem solução para os demais equivale a enxugar geloComo é impossível arranjar de repente ocupação para milhões(ainda mais milhões que não completaram a escola básica), mais urgente do que discutir a maioridade penal é aumentar a maioridade educacional, com formação geral ou profissional mais vida cultural,música, esportes etc.Porém quem cuidará disso? Assim como para evitar crimes as leis são importantes, mas não bastam, é preciso olhar cada criança como responsabilidade nossa e “desnaturalizar” a miséria. Se no lugar do menino largado na rua estivesse eu caído, com óculos e computador portátil, em minutos seria socorrido. Mas um menino drogado, descalço,traz menos riscos dormindo no chão do que em Como aconselha Brecht, não é para se emocionar, é para pensar.

LUÍS CARLOS DE MENEZES é físico e educador da Universidade de São Paulo e sabe que não se resolve a violência só com Educação, mas que sem Educação não se resolve nada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: